Opinião de Octávio Serrano na Cister Fm

Na crónica desta semana

O MASSACRE DA QUINTA DA TORRE BELA

Não faço ideia das centenas de vezes que passei junto da Quinta da Torre Bela em Alcoentre; mas sei-vos dizer, que tinha uma muito especial curiosidade, em deitar uma rápido vislumbre de olhar, por cima do muro que a cerca; nomeadamente, quando passava junto do Centro de Logística de Combustíveis de Aveiras; nesse sitio era possível, ver muita vez, numa larga clareira, rebanhos de veados e cervos a pastar placidamente; era um deleite para quem gosta de vida selvagem!

Os grandes negócios, não se compadecem com a natureza;  na quinta da Torre Bela, funciona desde há bastantes anos uma reserva de caça; em que se explorava a vertente cinegética do espaço; a gestão económica de caça grossa deverá ter proporcionado rendimentos limitados, mas regulares; interessava, controlar as populações de veados, cervos e javalis, mas no interesse do futuro do negócio, os abates tinha de ser limitados, mas bem pagos; e assim decorreram bastantes anos… até que mudaram os tempos; e surgiu o promissor negócio dos campos de painéis solares!

Um mega empreendimento que ocupará 750 hectares, dos 1700 hectares de espaço murado da Quinta da Torre Bela; mais um passinho, no caminho da chamada descarbonização da Europa; que implicará também o arranque de milhares de sobreiros e a destruição total de um espaço de biosfera; e adivinha-se sem se ser grande bruxo; que após a praga dos eucaliptos, que destruiu em Portugal parte da floresta mediterrânica, que o ocupava, vem ai a praga dos parques de painéis solares; nomeadamente no sul do país, zona especialmente apta para a produção de energia solar!

Mas ali  na Torre Bela existia um obstáculo; a existência em grande numero de animais de grande porte; que não podiam ser afugentados para a vizinhança; o plano ambiental, previa a sua transferência para outras zonas do país; mas imagine-se a logística que não seria necessária, para descobrir os animais, capturá-los, sedá-los e transferi-los para o seu posterior destino; uma carga de trabalhos de custo elevado; logo, sem o poder afirmar com toda a certeza, pois não vi, nem ouvi, apenas adivinho, devem ter optado por uma solução final! Bem sigilosa, para que ninguém soubesse, nem que viesse para a comunicação social!

E aqueles que hoje afirmam que não sabiam de nada, devem ter encomendado, a uma empresa de Badajoz, a resolução do problema; do género “não queremos saber, como o vão fazer, mas resolvam-nos o problema!”. E a dita empresa convidou uns espanhóis, tão aficionados pelo tiro em coisa viva, que até pagaram por cima; afinal tratava-se de estabelecer um recorde, de caça morta num dia; tão felizes ficaram, que partilharam nas redes sociais a “cobardia”; porque, empurrar animais para um espaço circunscrito e fechado, e fuzilá-los não passa de um acto abjecto e imoral, mesmo para qualquer caçador que se preze!

Foi no dia 17 de Dezembro a matança; estaria tudo preparado; o massacre deu-se durante muitas horas; os animais foram recolhidos; as fotografias para a posteridade tiradas; e os animais carregados, com destino a Espanha; por certo vendidos, de modo que nunca mais ninguém os viu! Solução final cumprida!

Mas o escândalo rebentou; e as nossas autoridades, surdas, mudas, quedas, nem sabiam de nada; de imediato o nosso Ministro do Ambiente, com aquele ar de barbudo inquestionável, decretou “retire-se a licença de caça  á quinta da Torre Bela”; não se sabe se foi para proteger as cobras e lagartos, que terão ficado; e mais “suspenda-se de imediato o procedimento de avaliação de impacte ambiental, incluindo a consulta pública, do parque de painéis solares, por 30 dias”; por certo para aguardar que tudo rapidamente se esqueça; e claro “Abra-se um inquérito!”; nem comento!

Pois como de costume, espera-se que o pó assente; o tal inquérito se arquive; o tal investimento de energia solar avance em nome da modernidade e do interesse nacional; e que para a próxima vez, noutro canto qualquer de Portugal, se obrigue o pelotão de fuzilamento a deixar as máquinas fotográficas em casa! Afinal tudo não passou de um erro de casting…

Um bem hajam e uma boa semana!

Ouvir crónica;

A crónica de Octávio Serrano pode ser ouvida à 2ª feira pelas 00h20, 08h30, 12h30, 16h30, 21h30.

.

.

. Cister Fm

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER

Copyright©Cister.fm