Página Inicial Notícias Política Octávio Serrano Ser-se Liberal apenas de nome

Octávio Serrano Ser-se Liberal apenas de nome

Caros ouvintes, o Sr. João Cotrim de Figueiredo, um empresário, foi eleito para o parlamento, pelo Partido Iniciativa Liberal; ouvi atentamente a sua primeira intervenção! Sem duvida, que este Sr. discursa distintamente; mas, acalme-se o Dr. Rui Rio; largue o cenho preocupado, com que o ouviu; não será dali, que vai sair o foco, que irá roubar base eleitoral ao seu PSD.
Sabem? Eu possuo na minha mente, um arquétipo de um liberal; será alguém que defende a iniciativa do individuo; principalmente económica; o supra-sumo da iniciativa privada; para eles o Estado e as corporações, não devem constituir obstáculo à livre iniciativa privada; claro que tem de haver Estado, nem que seja para apenas garantir a tal  liberdade económica; ou para reprimir os opositores à mesma.
Mas no discurso do deputado João Cotrim, sinceramente, esse homem ideal, totalmente livre e liberal não esteve presente; percebi sim, ser este Sr. representante de uma élite portuguesa, que pelo seu sucesso nos negócios ou por julgar pertencer a uma casta à parte, gostaria de não ser sujeita a pagar os impostos progressivos, que incidem, sobre aqueles que mais auferem na nossa sociedade; uma élite, que acha ser um desperdício ,o financiamento pelo Estado do Serviço Nacional de Saúde; a tal que adoraria a existência à parte, de um  ensino privado elitista e exclusivo, para as classes ditas de “superiores”; aquelas, que ainda não entenderam, que as sociedades modernas, necessitam de um pacto social e colectivo, que as mantenham progressivas e inclusivas; as mesmas que não perceberam, que uma sociedade é orgânica,  colectiva e solidária; não pode ser individualista, egoísta e desgarrada. Enfim…
Mas goste-se ou não, factos são factos; as sociedades ocidentais desenvolvidas mais progressistas, desenvolveram-se com base na justiça fiscal; os seguros de saúde, tão defendidos por Vª Exas. não são ilimitados;  e a muitos dos que os têm, tem sucedido, que quando deles mais necessitam, estes recusarem-se a pagar as despesas de saúde mais vultuosas; e essas pessoas, voltam-se como ultimo recurso, para o SNS; e quanto ao ensino, este terá continuar a ser universal, e tendencialmente gratuito, nomeadamente nos primeiros níveis; precisamente para que se possa dar oportunidade universal a todas as crianças; e não a algumas, as nascidas em berço de “ouro”; pois todas as crianças devem ter oportunidade de adquirir a educação que lhes permita o êxito individual; precisamente, aquele que os liberais defendem; o êxito do individuo na sociedade.
O  discurso do Sr. João Cotrim, ao centrar-se  em “interesses de elite”, não conseguiu atingir um patamar verdadeiramente  liberal; para isso deveria ter subido a outro nível; ao da liberdade económica; incidir sobre o que impede a nossa economia de melhor singrar. Só três vertentes, que o Sr. Deputado não referiu, mas de que nunca será tarde, vir a delas falar: 1- A opressão monopolista da GALP, da EDP e de outras empresas, que com a imposição dos seus preços, castigam as pequenas e médias empresas; o verdadeiro liberalismo, não pode permitir monopólios que coloquem em causa a liberdade de produzir. 2- A critica ao pesado, demorado e burocrático sistema de licenciamento industrial e comercial do Estado Português, que inibe o investimento produtivo. 3- A injusta divergência de impostos, que são cobrados às nossas PMEs, em relação aos que os grandes grupos económicos e financeiros efectivamente pagam; o que impõe concorrência desleal e facilita o esmagamento e sujeição das PMEs, ás grandes corporações. Pois Sr. João Cotrim, se se quer invocar liberalismo, este tem de estar indissociavelmente ligado aos interesses daqueles que realmente o praticam. Á promoção do capitalismo de base!
Se o Sr. João Cotrim realmente é um liberal, ajude então, senão a libertar, pelo menos a aliviar, as imposições monopolistas e anti-liberais dos grandes grupos económicos; assim como  a quebrar o conluio do Estado com as mesmos. Mas estar contra os poderosos deste país, se calhar seria contra-procedente! Não seria?
Um bem hajam e uma boa semana!




Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por RuiCustodio
Carregar mais em Política

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja Também

Opinião de Henrique Neto na Cister Fm

Comentário, Observação, Actualidade, Política, Económica e Social, a Visão e Opinião de He…