Página Inicial Notícias Política Octávio Serrano – Impõe-se decretar o recolher obrigatório

Octávio Serrano – Impõe-se decretar o recolher obrigatório

Na segunda-feira o nosso governo, sob a pressão dum parecer cientifico da CE, decidiu-se a encerrar as escolas para impedir a disseminação do corono virús entre os alunos de todos os graus de ensino; julgo que tal foi feito no tempo certo; mas de imediato se verificou, que encerrar as escolas não impedia totalmente a continuação da sociabilização entre os alunos fora da escola; logo conclui-se, não existir ainda suficiente alarme social em relação ao virús entre a população.
Ora, apesar de existir gente que é contra o alarmismo, onde se incluem alguns dos cientistas que aconselham o nosso governo, numa situação dramática como esta, a difusão do alarme social entre a população é decisivo, para travar e impedir, a existência de novos vectores de disseminação da doença.
Todos sabemos que não possuímos máscaras assépticas, que impeçam a disseminação do vírus entre as pessoas que entre si interagem ; nem termómetros de infravermelhos que permitam às autoridades fazer o controlo da temperatura das pessoas, nas chegadas externas, e nas nossas fronteiras; logo, a melhor arma contra a disseminação será a informação e a correcção de comportamentos.
Ora, todos bem sabemos que o nosso portuguesito, não gosta de ser condicionado; e adora a pequena transgressão; em nome da sua liberdade de fazer o que quer, e deseja; o acto colectivo dos nossos alunos, de em plena crise de saúde publica, encherem as nossas praias, certamente não se deveu a um qualquer boato de que a água do mar combateria o vírus, mas sim a uma irresponsabilidade juvenil ; e sem duvida também, à ideia que prevaleceu em Fevereiro de que o COVIP 19, se tratava de uma simples constipação e só era perigosa para os velhotes.
Mas podemos estar bem cientes; esta pandemia gripal e pneumologica é perigosa para todas as idades; e não se lhe pode dar tréguas, nem ser condescendente com comportamentos que facilitem a sua disseminação!
Portanto, a seguir ao encerramento das escolas, é aconselhável e urgente encerrar todos os locais onde a sociabilização colectiva e numerosa se proporcione; incluindo as praias; e como estes comportamentos não se corrigem facilmente, a solução obrigar o país a adoptar o necessário recolher obrigatório; só anda na rua, quem trabalha ou se desloca para o trabalho;  ou necessita de adquirir bens essenciais para a subsistência de si e da sua família.
O recolher obrigatório é um medida natural, que foi imposta na China, onde deu optimos resultados na inversão na difusão da epidemia; infelizmente na Itália, foi tomada tardiamente; e isso foi fatal para a sociedade italiana; a contaminação tornou-se descontrolada; o numero de infectados e de internados nos hospitais cresceu dramáticamente; e hoje, nos hospitais italianos carentes de meios, um pessoal médico exausto, escolhe quem deve morrer ou viver, de acordo com a sua idade ou probabilidade. Pois não conseguem tratar toda a gente!
O nosso governo, aconselhado por gente titubeante tem andado a correr atrás do prejuízo; face à gravidade da situação, que observamos em Itália e Espanha, penso que não deverá haver hesitações; o recolher obrigatório deve ser decretado; só anda na rua, quem necessita de andar;  só anda na estrada, quem se desloca para o emprego ou o faz no âmbito da sua actividade profissional; as viagens pessoais entre regiões só devem ser feitas, depois de autorizadas pelas autoridades!
A bem de nós mesmos! Por fim aconselho nesta fase da nossa vida, à leitura do livro “Ensaio sobre a cegueira” de José Saramago!  Para percebermos melhor naquilo em que estamos metidos!
Uma cotovelada a todos! E havemos de recuperar a normalidade das nossas vidas!
Um bem hajam e uma boa semana!

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por RuiCustodio
Carregar mais em Política

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja Também

Porto de Mós reduz impostos às famílias e empresas

Num contexto especialmente adverso para todas as famílias e empresas do concelho de Porto …