Página Inicial Notícias Cultura e Música III Ciclo de Conferências sobre Manuscritos de Alcobaça

III Ciclo de Conferências sobre Manuscritos de Alcobaça

A conferência inaugural do III Ciclo de Conferências sobre Manuscritos de Alcobaça, com o tema Traduções em Alcobaça e a sua atribuição, a ser proferida pelo Professor Doutor Aires A. Nascimento [Academia das Ciências de Lisboa], realiza-se no próximo dia 25 de maio, pelas 15 horas, na Sala das Conclusões do Mosteiro de Alcobaça.

Promovido pela Direção-Geral do Património Cultural/ Mosteiro de Alcobaça, em parceria com o Instituto de Estudos Medievais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito da boa prossecução do objetivo estratégico relativo ao posicionamento do Mosteiro de Alcobaça como centro de estudos e da divulgação da História e do Património espiritual e temporal da Ordem de Cister, esta terceira edição do Ciclo de Conferências sobre Manuscritos de Alcobaça, dedicado ao tema “Música e Liturgia”, tem como principais objetivos a divulgação das mais recentes investigações sobre os códices da livraria do Mosteiro de Alcobaça, agora numa dimensão comparativa e contextualizada entre o local e o global, contando com a participação de reputados investigadores portugueses e espanhóis. É intenção desta 3ª edição, à semelhança das anteriores, para além da aproximação do público em geral a este património tão vasto e complexo que constituiu parte fundamental da identidade da comunidade monástica cisterciense de Alcobaça, a sua internacionalização, enquadrando-se na estratégia global de gestão em curso deste monumento.

   Esta iniciativa integra-se também no projeto de investigação “Horizontes cistercienses. Estudar e caracterizar um scriptorium medieval e a sua produção. Alcobaça. Identidades locais e uniformidade litúrgica em diálogo” (PTDC/ART-HIS/29522/2017), de que a DGPC/Mosteiro de Alcobaça é entidade parceira, e também nas linhas de investigação do IEM, em uma das suas principais missões: a divulgação da investigação junto dos mais variados públicos, uma investigação que sai da academia e, sem perder o seu rigor científico, se dissemina na promoção do património que é de todos nós mas que, por questões ligadas à sua fragilidade e conservação, é menos acessível ao público.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por jcaetano
Carregar mais em Cultura e Música

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja Também

Arqueologia em Portugal: recuperar o passado em 2017

Inaugura no dia 19 de julho de 2019, pelas 16h, no Mosteiro de Alcobaça, a exposição itine…